Deste novo paradigma morfológico nasceu um novo paradigma funcional: as actividades cerebrais não resultam da acção directa de uma célula ou grupo de células mas sim da rede que entre si todas as células nervosas constituem. Esta nova concepção e o aparecimento de equipamentos, – para além do velho electro-encefalograma que já foi um progresso – de equipamentos que permitiram conhecer, e ver, o tempo e o modo das activações das redes neuronais, constituem, hoje, um vastíssimo acervo de conhecimentos da neuro-fisiologia da percepção sensitiva e sensorial.

Para ler todo o texto faça download do pdf.

Seguindo Damásio direi que o sofrimento não é uma emoção porque exige o que chamarei representação imagética da emoção, com a atribuição de um nome ao estado emocional.

Imaginemos uma facada nas costas que não podemos ver, mas apenas sentir. Os receptores nervosos sensitivos e sensoriais da zona cortada pela faca vão ser instantaneamente activados e miríades de estímulos eléctricos vão correr pelos prolongamentos neuronais até atingirem em milésimos de segundo, a espinal medula e o bolbo os quais respondem com múltiplos efeitos locais e gerais; ou seja, biologicamente, todo o corpo recebeu uma informação bioquímica sobre a lesão produzida pela facada e em poucos segundos está na zona um exército de leucócitos, células livres do sangue, sempre prontas para cumprirem as ordens biológicas coordenadas pela parte mais antiga do nosso cérebro cuja estrutura e funções são iguais às dos outros animais vertebrados. Mas a tempestade eléctrica neural produzida pela facada nas costas, que a vítima não vê, vai propagar-se neurologicamente para cima, par a estruturas mais recentes em termos evolutivos e que já só partilhamos com as espécies animais que nos são mais próximas. Esta irritação electro-química talâmica comunica-se a estruturas supra-talâmicas e dá origem a um padrão emocional que só se transforma em sentimento quando é sujeito a uma leitura afectiva por certas zonas do cortex cerebral; a partir de certa idade, quando já há domínio da linguagem verbal, é-lhe atribuído um nome e todo o processo é memorizado para uso no futuro. 

ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES DE FILOSOFIA

A Associação de Professores de Filosofia (Apf) é uma associação de professores ligados ao ensino da Filosofia, que se dedica a divulgação e promoção de temas relacionados com a filosofia.

CONHEÇA AS VANTAGENS DOS SÓCIOS APF

Porque a Filosofia interessa a um número cada vez mais alargado de pessoas, podem ser sócios da Apf todos os que se interessarem pela reflexão filosófica e pelo ensino da Filosofia.

PUBLICAÇÕES APF

Constituídas essencialmente pelas comunicações apresentadas em eventos científicos, as publicações da Apf congregam aspetos relevantes do pensamento filosófico português.

RECURSOS FILOSÓFICOS

Aqui poderá encontrar recursos de apoio a reflexão filosófica e ao ensino da Filosofia (Páginas Institucionais e Pessoais; Livros e Artigos; Revistas; Dicionários; e Conceitos Filosóficos).